O ecossistema de negócios da China e o franchising transcontinental

339
[tempo para leitura: 2 minutos]

O crescimento da economia chinesa é destaque no noticiário econômico. Próxima de ultrapassar os Estados Unidos como maior mercado global, a China atrai atenção por seu modelo econômico e está na rota de expansão de diversas marcas. O 10º Fórum Internacional de Gestão de Redes de Franquias e Negócios realiza o painel “Franchising transcontinental”, no dia 2 de outubro.

A China será um dos mercados abordados. Para debater o tema, o evento traz Eduardo Yamashita, COO do Grupo GS& Gouvêa de Souza. O mercado chinês é o mais dinâmico do mundo. Por consequência, o que realiza mais transformações.

O livro “The 1 Hour China”, dos escritores Jeffrey Towson e Jonathan Woetzel, mostra como o mercado nesse país vem se transformando. O livro descreve seis megatendências que levaram o país ao atual ritmo de transformação: urbanização, escala de manufatura, consumidores emergentes, poder do capital, poder do conhecimento e internet.

“O futuro definitivamente vem da China e nós temos muito que aprender com eles. Os chineses estão vivendo uma realidade de mercado que está 10-20 anos na nossa frente e a vantagem disso é que podemos nos preparar hoje para o futuro do nosso mercado”, ressalta Eduardo Yamashita.

Nesse contexto de transformação e disrupção contínua, nasce uma nova dinâmica empresarial batizada de Ecossistemas de Negócio. Uma nova mutação de estrutura organizacional, desenhada e pensada com foco para a inovação, rapidez, adaptabilidade, sinergia, expansão e escala.

É o modelo de organização de empresas que propicia crescimentos exponenciais, representados pela Sigla BATX – Baidu, Alibaba, Tencent e Xiaomi. Esses ecossistemas dominam o mercado chinês e representam empresas com 10 a 20 anos de existência e que combinadas tem valor superior a 1 trilhão de dólares.

“Os ecossistemas são formados por diversas empresas absolutamente independentes e especializados nas suas atividades, com fortes lideranças que têm ampla autonomia para liderar seus negócios. A fortaleza do modelo vem através de um agente central coordenando estrategicamente esse ecossistema e da forte interconexão e sinergia dessas empresas. Na verdade, o principal diferencial competitivo delas é exatamente a união e combinação de competências, gerando um alto poder de inovação e disrupção nos setores em que atuam”, destaca o Yamashita.

Essa configuração de negócios permite que as companhias tenham autonomia, especialização, autoridade, rapidez, agilidade e foco, viabilizando uma adaptabilidade, inovação e crescimento em ritmo nunca antes visto. Além disso, conseguem capturar oportunidades de negócio ou novas competências rapidamente através do ecossistema, que busca constantemente integrar expertises complementares gerando valor para todo o conjunto.

O 10º Fórum Internacional de Gestão de Redes de Franquias e Negócios acontece nos dias 1 e 2 de outubro, no Teatro Santander, em São Paulo. Em nove edições, já recebeu mais de 9 mil executivos, dentre CEO’s, diretores e gerentes, de 2 mil empresas, incluindo as maiores redes de franquias e negócios do país.  Os debates contarão com a participação de lideranças de destaque como Frederico Trajano, CEO do Magazine Luiza; Marcelo Bertini, presidente do Cinemark; Chieko Aoki, presidente da rede Blue Tree Hotels; Caito Maia, fundador e presidente da Chilli Beans, entre outros.

* Imagem reprodução

Deixe uma resposta