Primark planeja expandir atuação nos Estados Unidos

444
[tempo para leitura: 3 minutos]

A varejista de moda britânica Primark irá apostar no mercado americano e na América Central. As roupas a preços baixos da companhia agradam os consumidores do Reino Unido. A empresa abriu sua primeira unidade nos Estados Unidos, em Boston, em 2015. Agora, a empresa tem nove lojas no nordeste do país, todas abastecidas por um armazém na Pensilvânia que ainda pode servir três vezes mais lojas.

A varejista investiu 250 milhões de libras, ou US$ 313 milhões, nos Estados Unidos, onde alcançou uma massa crítica de vendas e já tem quatro anos de aprendizado em um mercado lotado que luta para se manter firme diante do rápido crescimento do comércio eletrônico.

O dono da Primark, o conglomerado British London Foods, está convencido de que a abordagem disciplinada de loja por loja da Primark pode ter sucesso em um país que foi cemitério para alguns dos maiores varejistas da Grã-Bretanha, incluindo Marks & Spencer, Tesco e, mais recentemente, Philip Green’s Topshop.

“Acredito que os EUA serão vencedores da Primark”, disse John Bason, diretor financeiro da AB Foods.

Essa confiança é sublinhada por um movimento para criar uma cadeia de suprimentos mais próxima do mercado dos EUA.

Atualmente, a Primark compra todas as suas roupas para os Estados Unidos de seus países fornecedores tradicionais, como China, Índia, Bangladesh, Camboja, Vietnã e Turquia. Isso representa um alto custo, pois as mercadorias são transportadas pelo Pacífico, pelo Canal do Panamá e pela costa leste dos EUA.

O plano agora é contratar fornecedores de países da América Central, como Guatemala, Costa Rica e México.

“Estamos chegando a esse ponto agora, com o nível de vendas que já alcançamos nos EUA”, disse Bason, um veterano de 20 anos da AB Foods.

Fundada pelo falecido Arthur Ryan em Dublin em 1969, a Primark tem 373 lojas em 12 países, movimenta mais de 7,5 bilhões de libras e obteve lucro de 843 milhões de libras em 2017, representando um aumento quase quatro vezes maior em dez anos. O que surpreende é que esse resultado foi alcançado sem o lançamento de um e-commerce.

A Primark, maior varejista de moda da Grã-Bretanha em número de itens vendidos, tem como seu ponto forte o preço, vendendo camisetas e roupas de banho por até cinco libras. Essa economia tornaria as vendas online insustentáveis.

A Primark contribui com mais da metade do lucro total de sua controladora, que também possui empresas de açúcar e mercearia, tendo um valor de mercado de ações de 18 bilhões de libras.

Alguns analistas acreditam que a combinação de valor, moda e amplitude de alcance da Primark significa que ela poderá construir um negócio nos EUA na próxima década tão grande quanto o da Europa.

Isso ameaçaria varejistas de moda como Old Navy, American Eagle e Target em seu próprio território, lançando a britânica contra a H&M da Suécia, que negocia em 578 lojas nos Estados Unidos, e a Inditex da Espanha, que tem 102 unidades.

A décima loja americana da Primark abrirá em American Dream, Nova Jersey, neste outono, seguida por uma na Flórida em 2020, a primeira fora do corredor nordeste. Também foram assinados contratos para a abertura de uma loja em Chicago. Seguem-se lojas em cidades altamente populosas na costa leste, em locais com grande fluxo.

Bason disse que a decisão de reduzir o tamanho de três lojas da Primark – Freehold Raceway em Nova Jersey, Danbury Fair em Connecticut e King of Prussia na Pensilvânia – foi fundamental para se ajustar ao mercado americano.

Os níveis de vendas foram mantidos a partir de lojas menores. As densidades de vendas aumentaram, enquanto os custos operacionais diminuíram, o que significa melhora na lucratividade. Por outro lado, a margem da loja de Boston foi aumentada ao aumentar seu tamanho.

“Você adiciona mais lojas e cada uma é lucrativa, e a rentabilidade geral aumenta… agora você está em um círculo virtuoso.”

Com informações do site Reuters
* Imagem reprodução

Deixe uma resposta