Inadimplência do consumidor cresce 2,7% em julho

460
[tempo para leitura: 2 minutos]

A quantidade de brasileiros com contas em atraso e negativadas cresceu 2,7% em julho deste ano em relação a 2018, chegando a 63,3 milhões de pessoas. Isso representa 40,5% dos adultos do Brasil, que têm dividas, principalmente, para instituições financeiras. As informações são da Serasa Experian.

Por outro lado, na análise em relação a junho, a quantidade de endividados diminuiu 0,2%, o que significa que 100 mil pessoas deixaram os registros de contas atrasadas e negativadas. De acordo com Luiz Rabi, economista da Serasa Experian, a expectativa é que esse número continue a baixar, ainda que de forma gradual, devido à melhora no cenário econômico.

“Há a expectativa da liberação de parte do saldo do FGTS, 13º e os lotes remanescentes da restituição do imposto de renda, o que deve trazer um fôlego maior”, disse Rabi.

Dentro do total de dívidas, a quantidade ligada à Bancos e Cartões chegou a 29,3% em julho de 2019, o maior percentual desde outubro de 2017, quando foi de 29,6%. A parcela das Financeiras foi de 10,4%, o maior desde o início da série histórica, em março de 2016. Os dois tipos juntos representam quase 40% das dívidas do país.

“O movimento revela a grande dificuldade que os brasileiros têm em não conseguir honrar nem os compromissos firmados com esta classe de credores, restringindo o acesso a crédito destas pessoas. Porém, é possível que os efeitos mitigadores anteriormente citados – liberação de parte do saldo do FGTS, o ingresso do 13º salário e os lotes remanescentes da restituição do imposto de renda – consigam, a partir dos próximos meses, estabilizar a inadimplência dos consumidores perante este segmento”, esclareceu o economista.

Na comparação entre julho de 2019 e o mesmo mês de 2018, o segmento de Utilities teve a maior variação, apresentando queda de 0,4 p.p. Bancos e Cartões cresceram 0,1 p.p, Telefonia 0,2 p.p, Serviços 0,1 p.p e financeira 0,2 p.p.

O Rio de Janeiro foi o Estado que teve maior crescimento daqueles que não conseguiram honrar seus compromissos financeiros entre julho de 2018 e 2019, passando de 46,1% para 47,3% da população. Em segundo lugar aparece a Paraíba, com variação de 1,1 p.p (33,8% em julho/19 contra 32,7% em julho/18).

Roraima é o Estado com o maior número de brasileiros negativados, com 56,3% da população adulta com dívidas em atraso. O Amazonas aparece em segundo lugar, com 54,3%, um aumento de 0,7 p.p. com relação ao mês de julho do ano passado e de 2,3 p.p. na comparação entre junho e julho de 2019.

*Imagem reprodução

Deixe uma resposta