Miss Selfridge sofre profunda crise e tem perda alguns milhões

451
[tempo para leitura: 2 minutos]

A rede Miss Selfridge, de Sir Philip Green, registrou uma perda de £17,5 milhões no ano passado, com as vendas caindo e lojas deficitárias.

As vendas na rede de moda caíram mais de 15%, para £102 milhões no ano até 1º de setembro de 2019, enquanto as perdas antes dos impostos quadruplicaram os mais de £ 4,3 milhões do ano anterior, chegando a £16,12 milhões.

As perdas aumentaram após os mais de £12 milhões em custos pontuais relacionados principalmente a baixas contábeis de propriedades, além de gastos redundantes. Cerca de 300 pessoas deixaram de trabalhar nas lojas da rede no Reino Unido, chegando a 1.188 funcionários.

A Selfridge já havia enfrentado cortes e fechou sua loja central da Oxford Street, como parte de um plano de reestruturação do Green’s Arcadia Group, companhia que também é dona da Topshop, Dorothy Perkins e Burton.

A Arcadia disse que a Selfridge venderá principalmente online no futuro. Os números terríveis de vendas indicam porque a rede enfrentou cortes mais difíceis do que algumas das outras marcas do grupo.

Em maio, a empresa disse que planejava colocar as companhias de propriedade da holding Selfridge e de sua marca irmã Evans em administração, resultando no fechamento de 25 lojas. Mas essa ação ainda está para acontecer.

A Arcadia está lutando pela sobrevivência depois de admitir que havia “incerteza material” sobre sua capacidade de continuar negociando sem novos fundos, depois de cair para uma perda de £177,3 milhões no ano passado, incluindo o fraco desempenho da Miss Selfridge.

As principais cadeias Topshop e Topman, que têm cerca de 350 lojas em todo o mundo, sofreram uma perda de £505 milhões, com as vendas caindo 9%, para £846,8 milhões no ano até 1º de setembro.

A Taveta Investments, proprietária da Arcadia, disse que dificuldades no refinanciamento de um empréstimo de £310 milhões da loja da Topshop em Oxford Street, com vencimento em dezembro, podem significar que seria necessário levantar novos fundos para sobreviver.

O império de varejo de Green, que formalmente é propriedade de sua esposa em Mônaco, Tina Green, conseguiu evitar o colapso em junho, depois de obter apoio dos credores para um plano de resgate que envolvia o fechamento de cerca de 50 lojas e cortes de aluguel de até 50%.

As marcas doentes do grupo têm lutado para competir com rivais como Asos, H&M e Primark, após anos de poucos investimentos.

Com informações do site The Guardian
* Imagem reprodução

Deixe uma resposta