Vendas no varejo dos EUA caem, sinalizando uma possível desaceleração

519
[tempo para leitura: 2 minutos]

As vendas no varejo dos EUA caíram em setembro pela primeira vez em sete meses, aumentando o medo de que uma desaceleração no setor manufatureiro americano possa estar começando a surgir entre os consumidores.

O Departamento de Comércio informou que as vendas no varejo caíram 0,3% em setembro, quando as famílias reduziram os gastos com materiais de construção, compras online e, principalmente, automóveis. O declínio foi o primeiro desde fevereiro.

Os dados de agosto foram revisados ​​para mostrar que as vendas no varejo aumentaram 0,6% em vez de 0,4%, conforme relatado anteriormente. Os economistas previam que as vendas no varejo aumentariam 0,3% em setembro. Na comparação com setembro do ano passado, as vendas no varejo aumentaram 4,1%.

“Essa não é uma evidência conclusiva de que o consumidor esteja vacilando, pois as revisões para cima reduziram os impactos dos declínios de setembro, mas reforça nossa preocupação contínua de que uma redução de gastos acabará provocando uma desaceleração mais durável”, disse Ian Lyngen, chefe de pesquisa de taxas do BMO Capital Markets.

As vendas de automóveis caíram 0,9% em setembro, a maior queda em oito meses, enquanto as receitas dos postos de serviço caíram 0,7%, devido à gasolina mais barata.

Nos segmentos de automóveis, gasolina, materiais de construção e serviços de alimentação, as vendas no varejo pouco mudaram em setembro, após subir 0,3% em agosto.

A queda do mês passado e o ganho não editado de agosto nas principais vendas sugerem uma desaceleração acentuada nos gastos do consumidor no terceiro trimestre que os economistas estavam prevendo após uma alta no trimestre anterior. O consumo, que compreende cerca de 66% da atividade do PIB nos EUA, aumentou a uma taxa anualizada de 4,6% no segundo trimestre, a maior em um ano e meio.

A força do consumidor americano também serviu de alavanca para o presidente Donald Trump, que elogiou a saúde da economia americana na prolongada guerra comercial com a China. Embora o presidente tenha anunciado uma trégua temporária na disputa, economistas dizem que a maior expansão econômica registrada permaneceu em perigo sem que todos os direitos de importação fossem revertidos.

“A queda nas vendas do varejo em setembro foi parcialmente impulsionada pela baixa nos preços da gasolina, mas o fato de as vendas no varejo do grupo de controle subjacente não terem sido alteradas fornece outro sinal claro de que o crescimento do consumo está diminuindo”, afirmou Michael Pearce, economista sênior da Capital Economics nos EUA.

“Acreditamos que o consumo real aumentou 2,5% anualizado no terceiro trimestre, abaixo do aumento de 4,2% no segundo, com o crescimento geral do PIB diminuindo para apenas 1,5% anualizado, de 2%”, explicou.

As receitas das lojas de roupas aumentaram 1,3%, segundo o relatório do governo, enquanto as vendas de móveis aumentaram 0,6%. As vendas em restaurantes e bares cresceram ficaram praticamente estáveis, com alta de 0,2%.

Com informações do site CNBC
* Imagem reprodução

Deixe uma resposta