Bulgari planeja expandir quantidade de lojas na China

533
[tempo para leitura: 2 minutos]

A Bulgari SpA planeja abrir novas lojas na China, dizendo que as vendas de joias podem potencialmente dobrar nos próximos cinco anos, evitando uma desaceleração mais ampla na segunda maior economia do mundo.

“Ano após ano, uma enorme classe média alta sai das universidades, atinge o mercado de trabalho e obtém dinheiro discricionário”, disse Jean-Christophe Babin, presidente-executivo da Bulgari.

De propriedade do grupo LVMH, a Bulgari está se juntando a outros fabricantes de artigos de luxo na expansão de sua presença na China continental para explorar o maior grupo de consumidores do mundo. Detidos por um yuan fraco, protestos em Hong Kong e tensões geopolíticas com os EUA, os compradores chineses estão transferindo seus gastos de luxo para casa, em vez de comprar no exterior.

“Existem de 5 a 10 cidades em que ainda não estamos presentes e, nos próximos cinco anos, fará muito sentido ter a marca em pé para que os chineses possam experimentar fisicamente o uso de um colar Bulgari”, disse Babin, acrescentando que isso ajudará a marca a estabelecer conexões mais próximas com seus consumidores.

Cidades como Wuhan, Chongqing e Shenzhen estão sendo consideradas para a abertura de lojas adicionais pela joalheria, que também vende relógios, perfumes e bolsas premium.

A varejista de luxo pretende manter suas quatro butiques em Hong Kong, apesar de os negócios terem sido atingidos pelos protestos nas ruas, segundo Babin.

De fato, a ruptura em Hong Kong veio com um revestimento de prata. O declínio das vendas no centro financeiro da Ásia foi compensado pela demanda mais forte na China continental, no Japão e em outros países do sudeste da Ásia, disse o executivo, refletindo a tendência dos mais recentes ganhos trimestrais de sua controladora.

Crescer na China, no entanto, é repleto de riscos para as marcas ocidentais, à medida que aprendem a navegar pelas sensibilidades políticas do país. A National Basketball Association (Associação Nacional de Basquete dos Estados Unidos) está enfrentando um corte de transmissão na China, duas semanas depois que um oficial da liga postou um tweet em apoio aos protestos pró-democracia em Hong Kong e desencadeou uma crise.

A Christian Dior, também parte do grupo LVMH, foi alvo de críticas este mês por menosprezar a política One China (China única) de Pequim quando fez uma apresentação em uma universidade e não incluiu Taiwan no mapa da China.

Quando perguntado sobre o risco aumentado que isso representa para as empresas, Babin disse que não era “necessariamente diferente” nos EUA ou no Japão, pois todas as culturas têm alguns problemas.

“Nossa organização é muito clara em refletir nosso respeito pela soberania chinesa”, disse Babin, acrescentando que a Bulgari se concentra em formar equipes locais fortes. “Sabemos que é importante conhecer, sentir, perceber as sensibilidades locais. Isso não impede que você ocasionalmente cometa alguns erros.”

Com informações do site Bloomberg
*Imagem reprodução

Deixe uma resposta