Varejista Peacocks negocia aquisição da rede Bonmarché

666
[tempo para leitura: 3 minutos]

A varejista de moda Bonmarché pode ser comprada pela Peacocks. Cerca de 30 lojas Bonmarché com baixo desempenho podem ser fechadas até 11 de dezembro, resultando em várias demissões.

Os administradores conjuntos Tony Wright, Alastair Massey e Phil Pierce, parceiros da empresa de consultoria especializada FRP Advisory, escolheram um pacote de compra oferecido pela Peacocks, depois que o prazo final para fazer ofertas de compra da empresa terminaram em 15 de novembro.

O acordo, que está sujeito à diligência e negociações adicionais por parte do licitante com os proprietários, é considerado como “a melhor oportunidade para maximizar retornos para os credores e vender o negócio com continuidade”.

A Bonmarché entrou em colapso administrativo em outubro, arriscando cerca de 2900 empregos. 25 funções de diretoria e gerência intermediária foram imediatamente cortados.

Philip Day, chefe da Specter Holdings, perdeu seu investimento de 5,73 milhões de libras na Bonmarché.

As 285 lojas restantes do varejista continuarão sendo negociadas, enquanto o desempenho dos negócios é mantido sob revisão.

A Bonmarché disse que o futuro das lojas restantes permanece incerto e está sujeito à negociação entre qualquer comprador futuro e proprietários.

“Após um processo de marketing robusto para Bonmarché, o negócio atraiu uma série de ofertas”, disse Wright.

“Iniciamos agora negociações avançadas com a Peacocks em uma base contínua e pretendemos concluir uma transação que maximize os retornos para os credores, mas também forneça a melhor oportunidade para manter o varejista aberto e proteger o maior número de empregos.

“Ainda há muito mais trabalho a ser feito antes que possamos garantir o futuro dos negócios. Apesar de estarmos otimistas de que uma transação possa ser concluída, em última análise, ela dependerá de negociações em andamento entre o comprador e os proprietários preferenciais sobre os aluguéis do mercado, e ainda existe o risco de o negócio pode não se concretizar”, informou Wright.

“Lamentamos profundamente que, como parte do processo de administração, 30 lojas sejam fechadas e os funcionários sejam dispensados. Trabalharemos com o escritório de pagamentos por dispensa para apoiar os funcionários afetados.”

Um porta-voz da Peacocks disse: “Estamos trabalhando muito para chegar a um acordo que garanta o futuro da empresa e o maior número de empregos. Mas, dadas as pressões sem precedentes que os negócios continuam enfrentando, também é importante reconhecer que isso não pode ser garantido no momento”.

“Agora entraremos em um período de negociações avançadas com o administrador e os proprietários de imóveis para encontrar um caminho a seguir que forneça um futuro sustentável e de longo prazo para os negócios”.

A rede Peacocks é de propriedade do Edinburgh Woolen Mill Group, empresa da qual a Bonmarche fez parte antes de entrar em colapso.

resultando em várias demissões.

Os administradores conjuntos Tony Wright, Alastair Massey e Phil Pierce, parceiros da empresa de consultoria especializada FRP Advisory, escolheram um pacote de compra oferecido pela Peacocks, depois que o prazo final para fazer ofertas de compra da empresa terminaram em 15 de novembro.

O acordo, que está sujeito à diligência e negociações adicionais por parte do licitante com os proprietários, é considerado como “a melhor oportunidade para maximizar retornos para os credores e vender o negócio com continuidade”.

A Bonmarché entrou em colapso administrativo em outubro, arriscando cerca de 2900 empregos. 25 funções de diretoria e gerência intermediária foram imediatamente cortados.

Philip Day, chefe da Specter Holdings, perdeu seu investimento de 5,73 milhões de libras na Bonmarché.

As 285 lojas restantes do varejista continuarão sendo negociadas, enquanto o desempenho dos negócios é mantido sob revisão.

A Bonmarché disse que o futuro das lojas restantes permanece incerto e está sujeito à negociação entre qualquer comprador futuro e proprietários.

“Após um processo de marketing robusto para Bonmarché, o negócio atraiu uma série de ofertas”, disse Wright.

“Iniciamos agora negociações avançadas com a Peacocks em uma base contínua e pretendemos concluir uma transação que maximize os retornos para os credores, mas também forneça a melhor oportunidade para manter o varejista aberto e proteger o maior número de empregos.

“Ainda há muito mais trabalho a ser feito antes que possamos garantir o futuro dos negócios. Apesar de estarmos otimistas de que uma transação possa ser concluída, em última análise, ela dependerá de negociações em andamento entre o comprador e os proprietários preferenciais sobre os aluguéis do mercado, e ainda existe o risco de o negócio pode não se concretizar”, informou Wright.

“Lamentamos profundamente que, como parte do processo de administração, 30 lojas sejam fechadas e os funcionários sejam dispensados. Trabalharemos com o escritório de pagamentos por dispensa para apoiar os funcionários afetados.”

Um porta-voz da Peacocks disse: “Estamos trabalhando muito para chegar a um acordo que garanta o futuro da empresa e o maior número de empregos. Mas, dadas as pressões sem precedentes que os negócios continuam enfrentando, também é importante reconhecer que isso não pode ser garantido no momento”.

“Agora entraremos em um período de negociações avançadas com o administrador e os proprietários de imóveis para encontrar um caminho a seguir que forneça um futuro sustentável e de longo prazo para os negócios”.

A rede Peacocks é de propriedade do Edinburgh Woolen Mill Group, empresa da qual a Bonmarche fez parte antes de entrar em colapso.

Com informações do site Retail Gazette
* Imagem reprodução

Deixe uma resposta