O que podemos esperar da tecnologia em 2020 para o varejo?

3840
[tempo para leitura: 3 minutos]

2020 está chegando. Em meio ao momento de planejar as ações e estratégias para sua empresa, há sempre a questão de como a tecnologia irá evoluir, caminhar e impactar seus negócios.

Quando falamos em mundo, a questão mais forte deve se dar ainda dentro dos reflexos do que vem acontecendo na China, talvez com um pouco menos de intensidade do que foram nesses dois últimos anos, considerando o assunto cada vez menos como novidade e cada vez mais como algo não somente consolidado, mas com grande capacidade de migrar de alguma maneira para o Brasil.

Seja pela questão de reconhecimento facial, que começa a dar seus primeiros passos, ou seja a questão ainda buscada por muitos varejistas, de se tornar um “superapp”, tal qual os modelos conquistados pela WeChat e pelo Alipay, veremos ainda muitos reflexos sobre o que está acontecendo por lá refletindo nas estratégias e ações de varejistas por aqui.

Acredito que os maiores impactos virão através do campo financeiro. Estamos em meio à uma questão de “open banking” que poderá transformar a maneira como enxergamos algumas grandes marcas no Brasil, deixando seu core-business para de alguma forma se tornar o banco ou parceiro financeiro preferido de seus consumidores. Um movimento iniciado por plataformas como Mercado Pago, iFood e Rappi e até mesmo envolvendo players de varejo como Pernambucanas, Natura, entre outros. O caminho para a fidelização pode estar na conquista do bolso do consumidor de outra forma.

Como já disse em alguns artigos anteriores, como “Será que todo varejista vai virar um banco?”, a questão sobre se tornar “quase um banco” significa dinheiro mais rápido e mais fácil do que se tornar um “superapp” e, por isso, vejo um foco talvez maior das empresas nesse caminho.

Porém, nem só na esfera econômico-financeira a tecnologia tende a avançar. Com uma pressão cada vez maior de players como Alibaba (via AliExpress) e Amazon no mercado brasileiro, a logística deve ser um grande desafio para a maioria das empresas, obrigando a conquistar custos cada vez menores, aliada a uma pressão para a redução dos prazos de entrega, que se seguirem o desejo do consumidor, devem ser cada vez mais rápidos.

Nesse contexto de uma logística cada vez mais ASAP (as soon as possible – o mais rápido possível), novas tecnologias de controle de entregas e até mesmo novos canais, como lockers e o famoso “clique e retira” poderão ser de fato determinantes para que os negócios permaneçam competitivos.

Mas há ainda muito “arroz com feijão” para ser feito no varejo brasileiro. Ainda temos um grande problema quando falamos sobre conhecer o cliente da maneira adequada. Em um país onde até mesmo o CRM ainda não é uma realidade para a maioria das empresas, pensar em Big Data e Inteligência Artificial para buscar insights ou ações de maneira mais personalizada ainda parece algo muito distante na prática, embora já existam tecnologias hoje que possam operar de forma consolidada essas questões.

A Inteligência Artificial deve ter um grande destaque nesse ano, se tornando cada vez mais acessível, ajudando o varejista ou profissional do varejo a encontrar oportunidades e criar ações cada vez mais otimizadas e lucrativas, porém, para muitos, ainda se faz necessário dar o primeiro passo.

Como pano de fundo, temos a perspectiva de um cenário econômico positivo, com crescimento, mesmo que em ritmo lento, o que deve ajudar a impulsionar a adoção de novas tecnologias, buscando maximizar as oportunidades frente aos concorrentes.

Será ainda um ano de desafios para o varejo brasileiro, na busca de melhor produtividade. Muitos aprenderam as lições no período de crise, e agora buscam alternativas para evitar quaisquer riscos no futuro. Aqueles que buscaram se aproximar do ecossistema de startups em busca de inovações em produtos e serviços vão encontrar um ecossistema ainda mais consolidado no próximo ano. O ecossistema de startups brasileiro evoluiu muito e está se tornando cada vez mais maduro na questão de negócios e produtos, tanto que há muito potencial para termos novas empresas que se tornem unicórnios (valor acima de US$ 1 bilhão) no próximo ano.

Enfim, praticamente tudo o que poderá de alguma maneira acontecer com maior intensidade no varejo já se encontra “entre nós”. Cabe ao varejista buscar o que irá melhor se adaptar à sua estratégia de negócios. As cartas estão na mesa.

Um excelente 2020!

* Imagem reprodução

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, adicione seu comentário!
Coloque seu usuário aqui