Sustentabilidade deve ser parte da essência dos negócios para trazer resultados

737
[tempo para leitura: 3 minutos]

O painel “Missão de base: a jornada para a sustentabilidade” fez mais do que apresentar programas complementares ou esforços pontuais para a sustentabilidade no palco do NRF Retail’s Big Show. Ele destacou as marcas que estão no mercado há muito tempo, tecendo conceitos e compromissos, como fornecimento ético, produtos artesanais, comércio justo e embalagens reduzidas para quem elas são.

Jennifer Walsh, fundadora da Beauty Bar e da Walk with Walsh, levou ao palco Heather Deeth, gerente de Compras Éticas da Lush Cosmetics North America, e Jennifer Gootman, vice-presidente de Inovação Social e vice-presidente de Responsabilidade Social Corporativa da West Elm. Deeth e Gootman compartilharam brevemente os esforços contínuos de suas empresas e, em seguida, responderam a um punhado de perguntas de Walsh.

A Lush é uma marca global de beleza de bilhões de dólares do Reino Unido. Possui 900 lojas – 250 nos Estados Unidos e Canadá – e uma presença digital significativa. A Lush North America também é verticalmente integrada, possuindo lojas próprias, fabricando e distribuindo seus próprios produtos no Canadá e comprando matérias-primas em fazendas no Arizona, Guatemala, Uganda e Peru.

Em termos de sustentabilidade como parte da estratégia, Deeth disse: “Temos muita sorte, porque temos seis valores que estão no nosso negócio desde o início.” Isso inclui políticas rigorosas contra testes em animais, cosméticos frescos com datas de produção, compras éticas, uma linha de produtos 100% vegetariana (80% vegana), foco em itens artesanais e embalagens “nuas”.

A compra ética se destaca, disse ela, devido ao enorme escopo de produtos e ingredientes envolvidos. Os valores compartilhados e a transparência vão além dos fornecedores de nível 1. As parcerias de longo prazo são importantes, assim como o fornecimento direto, tanto quanto possível, e uma política de “ir além” que se estende além da assinatura de códigos de conduta para explorar ecossistemas inteiros, a cadeia de suprimentos, a mão-de-obra e muito mais.

“Na Lush, estamos criando uma revolução cosmética para salvar o planeta”, disse Deeth. “Na verdade, acho que precisamos de uma revolução… Todos nós precisamos participar.”

Quanto à West Elm, Gootman levou o público de volta à fundação da empresa, em 2002, no Brooklyn, com o simples lema de ser “um pouco mais verde a cada dia”. A jornada para a produção ética e materiais responsáveis ​​continuou, especialmente quando a West Elm deixou de ser uma empresa de mobiliário para se tornar uma marca de estilo de vida. Começou a investir em artesãos, por exemplo, e em 2014, tornou-se a primeira varejista doméstica a obter a certificação Fair Trade.

Em 2016, a West Elm estabeleceu metas públicas em toda a empresa para algodão e madeira de origem responsável. E em 2018, trouxe programas de visão do bem-estar dos trabalhadores para 20.000 operários e tornou-se a primeira varejista a lançar o Selo Artesanal Ético da Nest nos produtos.

“Foi uma evolução e uma jornada”, disse Gootman. “Acho que é importante reconhecer que muitos varejistas que estão realmente interessados ​​neste espaço. Nem tudo acontece ao mesmo tempo. Você pode evoluir, aprender e descobrir o que é material para o seu negócio e desenvolvê-lo a partir daí. Se eu pudesse dizer o que nos tornou bem-sucedidos neste espaço, diria que esta visão é essencial para nossos negócios, está incorporado em nosso produto e atinge diretamente nossos clientes”.

Os participantes do painel ofereceram outras informações importantes sobre a cadeia de fornecimento. Gootman disse que foi útil construir relacionamentos com certificações independentes de terceiros e outros. Ela também observou que os esforços de sustentabilidade devem atingir todas as funções essenciais da empresa para serem bem-sucedidos e gerar valor.

Deeth falou sobre a importância de ver a rede de comércio como um estabilizador para muitas comunidades. “Não é uma coisa de caridade”, disse ela.

E uma última coisa: o trabalho está em constante evolução. “Nós realmente resolvemos problemas”, disse Gootman. “E não faltam problemas no varejo para resolver.”

Com informações da NRF
* Imagem divulgação NRF

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, adicione seu comentário!
Coloque seu usuário aqui