Mercado do canabidiol segue alvo de polêmicas, mas tem grande potencial

89
[tempo para leitura: 3 minutos]

Stephanie Wissink, diretora-administrativa de pesquisa do consumidor do Jefferies Financial Group, moderou um painel no NRF Retail’s Big Show, em Nova York, sobre o surgimento do canabidiol, conhecido popularmente como CBD, como ingrediente em uma grande variedade de produtos de consumo relacionados à saúde.

Jann Parish, diretora de marketing da Green Growth Brands; Rachel Bonsignore, consultora sênior da GfK Consumer Life; e Sharon Leite, CEO da The Vitamin Shoppe também participaram do debate.

Wissink abriu a conversa reconhecendo uma confusão ainda bastante difundida sobre o que exatamente é o CBD e como ele varia de seu primo tetra-hidrocanabinol, mais conhecido como THC. Seu pedido de demonstração mostrou que muitos de seus ouvintes compartilhavam essa confusão; portanto, a sessão começou com uma rápida visão geral das duas substâncias.

Ambos são extraídos de plantas da família do cânhamo. Ambos são considerados úteis para uma variedade de condições. A principal diferença é que o THC é o ingrediente ativo da cannabis; é o que provoca os efeitos psicoativos. O CBD é relaxante e calmante, mas não é psicoativo.

Wissink disse que outra distinção importante é que o THC é ilegal na maioria dos Estados Unidos e o CBD não; seu cultivo e venda foram legalizados pelo Farm Bill de 2018. A substância foi objeto de mais de 250 ensaios clínicos e, no ano passado, houve um aumento de 700% na demanda por produtos à base de CBD.

Bonsignore disse que a GfK atribui parte do crescimento do interesse no CBD e suas propriedades calmantes aos fenômenos sociais e culturais, entre eles um envelhecimento da população e cuidados de saúde cada vez mais caros. Isso contribui para um desejo de proteção contra preocupações, um senso de controle (“preciso de mais espaço”) e um maior interesse na prevenção de doenças.

“Em nossa pesquisa entre americanos nos últimos 10 anos, vemos as ansiedades aumentando, ao invés de caindo”, disse ela. “O custo da assistência médica é agora a preocupação número dois nos Estados Unidos.”

Questionada sobre o que dá à sua empresa a confiança de que o público está pronto para os produtos baseados em CBD, Jann Parish, da Green Growth Brands, disse: “Quando eu comecei na empresa em 2018, ouvi repetidamente da equipe de vendas de campo que os clientes estavam perguntando sobre o CBD.”

Com base nessas conversas e na nova legislação que legaliza o CDB, a Green Growth ampliou seus esforços para se posicionar como especialista. “Focamos na educação sobre os produtos e, mais importante, nas soluções que esses produtos podem fornecer. Somos muito otimistas, mas queremos ter certeza de que fazemos o que é certo.”

Enquanto isso, continua a haver um sistema complexo de regulamentações estaduais (e às vezes municipais) que regem a venda e o uso do CBD.

Diante disso, perguntaram a Sharon Leite, da The Vitamin Shoppe, como ela aborda a entrada no mercado com esses produtos. “Passamos por um processo bastante complexo com a categoria”, disse ela. “Há coisas que você pode dizer e coisas que não pode dizer. Nossos distribuidores foram realmente muito úteis. Você pode alimentá-los com colher o quanto quiser, mas a vontade e a capacidade de aprender por conta própria têm sido um recurso real.”

Voltando ao tema do medo e da ansiedade na cultura mais ampla e como o público agora pode ver o CBD como uma solução ou pelo menos tratamento para algumas dessas condições, Bonsignore disse: “As pessoas querem comunidade. Elas querem que as marcas conversem com elas, e essas marcas parecem um pouco mais pessoais, um pouco mais interativas. Parece a coisa certa.”

Com informações da NRF
* Imagem divulgação NRF

Deixe uma resposta