Indústria da moda precisa acabar com estereótipos para atender a todos

969
[tempo para leitura: 2 minutos]

“O sucesso será quando não precisarmos mais ter essa conversa”, disse o CEO da Bonobos, Micky Onvural, atraindo risadas da plateia durante uma apresentação realizada no NRF Retail’s Big Show.

Alexandra Waldman, co-fundadora e diretora criativa da Universal Standard, também participou da conversa, moderada por Chip Cutter, repórter do Wall Street Journal.

Cutter começou pedindo que Waldman, cuja empresa oferece todos os seus produtos nos tamanhos de 00 a 40, resumisse o estado da diversidade refletido pela indústria da moda. “Acho que estamos em um ponto crítico”, disse ela. “Tudo está prestes a ser diferente, e queremos fazer parte dessa mudança. Queremos liderar a inclusão de todos na conversa, o que nunca foi feito antes.”

Onvural sugeriu expandir a definição de inclusão para abranger não apenas o que é visto – gênero, etnia, tamanho do corpo etc. -, mas o que não é visto. “Isso para mim é tudo, desde identidade de gênero, orientação de gênero, política – e acho interessante o modo como a moda pode ajudar a expressar a totalidade de quem as pessoas são. Queremos criar um mundo onde todos nós nos encaixamos.”

Parece ótimo, disse Cutter, mas como você realmente faz isso, considerando a logística envolvida?

“É definitivamente difícil”, disse Waldman, “mas vale a pena. Há muitas razões para fazê-lo, uma das quais é que você precisa estar do lado certo disso. Se você observar o padrão de beleza promovido pela indústria da moda, verá que a grande maioria das pessoas no mundo está sendo informada de que elas não são atraentes. Em um nível mais prático, vale a pena fazer porque o mundo está mudando. Se você for deixado para trás, sua empresa sofrerá.”

“Eu concordo completamente”, disse Onvural. “Acredito que para mudar o setor, você realmente precisa mudar a cultura nessas empresas. Quando entrei nesse trabalho, fiquei chocado com a quantidade de homogeneidade existente na indústria. Como alguém de fora, era mais fácil para mim ver as coisas que precisavam mudar para a marca mudar e para que o ponto de vista comercial mudasse.”

“Muitas pessoas não percebem o quão complexo é esse espaço inteiro. E se você entra em uma loja, não há nada além do tamanho 14, e cento e cinquenta milhões de mulheres são completamente esquecidas”, disse Waldman. “E por mais que eu ame minha própria marca, quero poder comprar outras marcas, outros rótulos. Isso mostra o quão calcificado, o quão arraigado é esse preconceito sobre o tamanho do corpo. E bilhões de dólares estão sendo deixados em cima da mesa.”

E o que, Cutter perguntou, você vê no próximo ano? “Gostaria de ver um comportamento um pouco menos performático na indústria da moda”, disse Waldman. “Acho que agora chegamos ao ponto em que as pessoas entendem que há dinheiro nela. A Estrela do Norte deveria ser: as roupas que você faz para as pessoas menores, também faz para as pessoas maiores. E elas custam o mesmo valor, todo mundo que trabalhou nelas foi pago adequadamente – é um mundo ideal e é o mundo em que queremos viver “.

Com informações da NRF
* Imagem reprodução

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, adicione seu comentário!
Coloque seu usuário aqui