Quarentena segue impactando comércio de bens duráveis e semiduráveis

69
comércio de bens duráveis e semiduráveis
[tempo para leitura: < 1 minuto]

O governador de São Paulo, João Doria, decretou quarentena no estado e o fechamento do comércio para atendimento presencial, permitindo apenas serviços essenciais, no último sábado (21 de março).

De acordo com a Entidade, são 460.137 estabelecimentos que estarão de portas fechadas em todo Estado, o que representa 67,7% do total do comércio varejista e atacadista, que geram 1.326.473 empregos formais.

O comércio varejista, diretamente afetado pela medida, movimenta cerca de R$ 1 bilhão de reais todos os dias. Ainda não é possível mensurar o quanto desse total deixará de ser movimentado, visto que ainda haverá atendimento por aplicativos, sites e delivery.

Empresariado
A Instituição recomenda que os comerciantes de bens duráveis e semiduráveis não ampliem os estoques. Não é o momento de investir, endividar-se ou assumir compromissos no longo prazo.

No entanto, os empreendedores devem ficar atentos ao fluxo de caixa e aos gastos fixos, e avaliar que um crédito bem contraído e planejado é melhor do que deixar de pagar os compromissos, tornar-se inadimplente e ter que correr atrás de juros.

A DesenvolveSP e o Banco do Povo anunciaram que vão liberar R$ 500 milhões de reais em crédito, o que se configura como uma boa opção para fugir dos juros altos das instituições financeiras tradicionais.

* Imagem reprodução

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, adicione seu comentário!
Coloque seu usuário aqui