Presidente da Calçados Bibi acredita que a cultura ágil tem sido a grande aliada no momento

1445
Andrea_Calçados Bibi
[tempo para leitura: 2 minutos]

Há mais de 70 anos no mercado, a Calçados Bibi tem como compromisso  de contribuir para um desenvolvimento feliz e natural das crianças. Diante do cenário atual e das recomendações de órgãos públicos, a empresa segue com suas lojas fechadas e com foco total no e-commerce. Para Andrea Kohlrausch, presidente da rede, que participou na manhã de hoje, 24 de abriu, do webinar Mercado & Consumo em Alerta, a integração das lojas físicas com o digital foi fundamental para colaborar com a continuidade do negócio. Ao lado da executiva estavam Caio Maia, CEO e fundador da Chilli Beans e Marcello Farrel, diretor da rede am/pm.

Andrea conta que a empresa precisou rever custos de produção, abrir mão de projetos que havia desenhado no início do ano e assinar um manifesto para não demitir seus mais de 1,2 mil funcionários durante a pandemia. Hoje são mais de 120 unidades nas principais cidades do Brasil, sendo que a grande maioria está localizada em shopping centers. “Enquanto as lojas da rede estão fechadas, visando a saúde e o bem-estar dos franqueados, colaboradores, clientes e fornecedores, as atividades serão efetuadas com foco no e-commerce, que funcionará normalmente com entrega para todo o País”, explica a executiva que acredita na cultura ágil como forte aliada no processo de reinvenção das empresas.

Desde 2016 a rede já vem amadurecendo o seu processo de transformação digital, algo que ajudou a minimizar os efeitos negativos com a chegada da crise. De lá pra cá, a companhia investiu fortemente no e-commerce de frente de loja para trabalhar a integração de canais com experiência na loja física e loja digital, eliminação de atritos e uso de dados. “A integração das lojas com o digital é fundamental. O cliente vai estar cada vez mais no centro e as empresas precisam buscar cada vez mais experiências para os consumidores”, alerta.

Vale lembrar que a Calçados Bibi difundiu para a rede o conceito de “prateleira infinita”, que é a integração entre as lojas físicas e o canal online. Se o cliente está em uma unidade e deseja um produto que não tenha disponível na loja, a consultora de vendas pode efetuar a compra pelo e-commerce. Além disso, o cliente opta se quer retirar o produto na loja ou se prefere que a entrega seja feita em casa. O contrário também acontece – no conceito “Clique & Retire”, o cliente pode comprar online e retirar na loja de sua preferência.

A rede fechou o ano de 2019 com 123 lojas, sendo oito unidades internacionais e 21 lojas próprias, incluindo o e-commerce. A marca registrou um aumento de 14% no faturamento da rede de franquias, além de implantar 18 novas operações, sendo dez lojas e oito quiosques. A rede conta também com operações internacionais. Hoje a rede tem lojas no Peru, Bolívia, Equador e um quiosque em teste na Romênia.

* Imagem reprodução

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, adicione seu comentário!
Coloque seu usuário aqui