Consumo em restaurantes ainda é o mais afetado pela pandemia

1427
Consumo em restaurantes ainda é o mais afetado pela pandemia
[tempo para leitura: 2 minutos]

A Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), em parceria com a Alelo, bandeira especializada em benefícios, incentivos e gestão de despesas corporativas, apresenta dados atualizados da 1ª quinzena de maio, a respeito dos impactos da Covid-19 sobre os Índices de Consumo em Supermercados (ICS) e os Índices de Consumo em Restaurantes (ICR).

Esta segunda divulgação é baseada em dados diários de transações realizadas em todo o terróitório nacional, entre 1 de janeiro de 2018 e 16 de maio 2020. Os índices foram elaborados a partir de informações sobre a utilização dos cartões Alelo Alimentação e Alelo Refeição, incluindo volume e valor das transações, bem como o número de estabelecimentos comerciais que efetivaram vendas através desses meios de pagamento.

A análise dos Índices de Consumo em Restaurantes (ICR), incluindo bares, lanchonetes, padarias, além de serviços de entrega (delivery) e retirada em balcão/para viagem (pick-up), indica que o setor ainda sente os impactos negativos das medidas restritivas, inicialmente registradas na segunda quinzena de março.

De acordo com o último levantamento, referentes à 1ª quinzena de maio, foram registradas reduções de 61,2% no número de transações, de 44,9%, no valor dessas operações, e de 25,7%, na quantidade de estabelecimentos que receberam pagamentos nesse período (percentuais calculados em relação às respectivas médias de todas as primeiras quinzenas de 2019).

Os resultados, embora inferiores aos relatados em períodos anteriores, ainda representam impactos significativos sobre as atividades e estabelecimentos desse segmento. Para fins comparativos, na 1ª. quinzena de abril, intervalo temporal em que os impactos negativos foram mais expressivos, os Índices de Consumo em Restaurantes (ICR) evidenciaram reduções de 67,7% no volume de transações, 56,7% nos valores dessas operações e 40,3% no total de estabelecimentos que realizaram vendas mediadas pelo benefício alimentação.

“Os números mostram que os restaurantes e outros estabelecimentos comercia! is que oferecem refeição continuam sofrendo de forma aguda com os efeitos da pandemia, apesar de observarmos uma leve redução na queda do movimento que observamos nas quinzenas anteriores”, afirma Eduardo Zylberstajn, pesquisador da Fipe.

Já a avaliação dos Índices de Consumo em Supermercados (ICS) durante a 1ª quinzena de maio identificou uma redução de 9,2% no número de transações realizadas (em comparação com a média das primeiras quinzenas de 2019). Esse resultado ocorre após registro de queda de 19,2%, na 1ª quinzena de abril, e de um recuo de 11,8%, no período seguinte. Vale notar, em contraponto, que o valor das transações realizadas em supermercados aumentou 6,8% na 1ª quinzena de maio (também em relação à média das primeiras quinzenas de 2019), após registrar uma queda de 4,9%, na 1ª quinzena de abril, aumento de 7,5%, no período seguinte.

“Percebemos que a movimentação nesses estabelecimentos que envolvem, além dos supermercados, quitandas, mercearias, hortifrútis e sacolões tem se repetido, desde o início das medidas restritivas na segunda quinzenal de março. As pessoas estão indo menos vezes, por isso a redução no volume de transações, mas, quando vão, compram mais, o que justifica o aumento dos valores gastos”, comenta Cesário Nakamura, CEO da Alelo.

Os Índices de Consumo em Supermercados (ICS) e os Índices de Consumo em Restaurantes (ICR) são atualizados e divulgados quinzenalmente pela Fipe e Alelo.

* Imagem reprodução

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, adicione seu comentário!
Coloque seu usuário aqui