Com lojas fechadas, vendas da Lululemon caem 17%

956
Com lojas fechadas, vendas da Lululemon caem 17%
[tempo para leitura: 2 minutos]

A Lululemon  relatou um declínio fiscal nas vendas do primeiro trimestre de 17%, já que seus fortes negócios digitais não foram suficientes para compensar as perdas de suas lojas que foram temporariamente fechadas devido à pandemia de coronavírus

Ainda assim, à medida que mais pessoas estocavam equipamentos de ginástica e roupas confortáveis ​​durante a pandemia, o presidente-executivo da Lululemon, Calvin McDonald, disse que o varejista viu um de seus maiores ganhos de participação de mercado de todos os tempos durante o trimestre, citando dados do NPD Group. 

Em 10 de junho, informou que 295 de suas 489 lojas foram reabertas em todo o mundo e cerca de 50% das lojas na América do Norte. A expectativa é que quase 100% das lojas sejam abertas novamente até o final deste mês. 

Até agora, na América do Norte, as vendas em locais reabertos estão superando as expectativas, afirmou a administração. 

Mas Lululemon também não está prevendo o retorno ao crescimento dos lucros, ano após ano, até o quarto trimestre. E espera que suas margens brutas sejam mais pressionadas durante o segundo trimestre. 

A empresa disse que suas vendas de comércio eletrônico totalizaram US$ 352 milhões, representando 54% da receita total, em comparação com US$ 209,8 milhões, ou 26,8% da receita total, um ano atrás.  “Nosso crescimento no comércio eletrônico começou a acelerar no final de março e abril”, disse McDonald em uma teleconferência de resultados. 

As vendas on-line aumentaram 125% apenas no mês de abril, com essa tendência continuando no segundo trimestre, acrescentou. “Não há dúvida de que nosso negócio on-line encontrará uma forma ainda melhor do que onde começamos”, disse o CEO. 

Sua margem bruta caiu para 51,3% da receita líquida, contra 53,9% no ano anterior. Lululemon disse que o declínio se deve, em parte, a custos mais altos para administrar seus centros de distribuição, à medida que os pedidos on-line aumentam. 

Lululemon disse que seu estoque subiu 41%, para US$ 625,8 milhões durante o trimestre. A empresa disse que continua comprometida com seus parceiros fornecedores e, portanto, não cancelou pedidos durante o período. 

Mas McDonald alertou que o varejista não deveria ter que usar promoções pesadas para tentar tirar mercadorias das prateleiras, como muitas outras empresas estão sendo forçadas a fazer. 

“Nós nos beneficiamos de uma porcentagem relativamente alta do produto principal, cerca de 40% do total, que tem um prazo de validade além da temporada atual e com risco limitado de remarcação”, disse ele. 

Atualmente, a empresa não oferece perspectivas para 2020. 

Com informações do portal CNBC.
* Imagem reprodução 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, adicione seu comentário!
Coloque seu usuário aqui